Gestão de processos: como melhorar a qualidade de vida no trabalho

17 de dezembro de 2021Por Siembra Beneficios0

A qualidade de vida no trabalho ou QTV é um conjunto de fatores que oferecem um ambiente favorável para o bom desempenho da equipe de trabalho. O objetivo é aumentar a produtividade sem prejudicar a saúde física e mental, e ainda oferecer um senso de realização pessoal para os trabalhadores.

Com o aumento da cobrança por condições mais humanizadas no ambiente profissional, as organizações estão cada vez mais preocupadas em otimizar a qualidade de vida no trabalho. É possível afirmar que todos os setores já sentem a mudança no mercado, e empresas que não buscam se adequar às novas necessidades acabam se prejudicando.

Entenda como o gerenciamento de processos pode ajudar a melhorar a qualidade de vida dos colaboradores da sua empresa.

Síndrome de Burnout: um problema de ambiente de trabalho

A Síndrome de Burnout ou Síndrome da Exaustão é um transtorno de estresse crônico relacionado ao trabalho. Esse esgotamento profissional foi inicialmente identificado pelo psicólogo clínico Herbert J. Freudenberger em 1974.

Atualmente, é a condição de saúde que mais afeta trabalhadores dos mais variados segmentos de mercado ao redor do mundo. Tanto que a Organização Mundial da Saúde (OMS) oficializou a síndrome na lista de doenças da próxima edição da Classificação Internacional de Doenças (CID-11), que vigora a partir do dia 1º de janeiro de 2022.

De acordo com o Ministério da Saúde, “Síndrome de Burnout é um distúrbio psíquico com sintomas de exaustão extrema e estresse resultante de situações de trabalho desgastante que geralmente demandam muita competitividade ou responsabilidade. Os profissionais das áreas de educação, saúde e segurança estão entre os mais atingidos”.

A Síndrome de Burnout é identificada especialmente por três dimensões:

  • Exaustão emocional: apatia e perda de energia emocional pelo excesso de demanda.
  • Insatisfação com a própria realização profissional: falta de propósito, baixa autoestima e pouca produtividade.
  •     Despersonalização: distanciamento emocional das pessoas do ambiente de trabalho.

Cada pessoa funciona em um ritmo diferente, e um trabalhador com Síndrome de Burnout pode apresentar uma, duas ou três dos fatores acima. Não se adoece especificamente de esgotamento profissional, mas o que acontece é que a síndrome pode evoluir para transtornos mais graves, como a depressão e a ansiedade. Por isso é importante estar atento aos sinais.

Confira a seguir alguns sintomas da Síndrome de Burnout segundo o Ministério da Saúde:

  •       Cansaço excessivo, físico e mental.
  •       Dor de cabeça frequente.
  •       Alterações no apetite.
  •       Insônia.
  •       Dificuldades de concentração.
  •       Sentimentos de fracasso e insegurança.
  •       Negatividade constante.
  •       Sentimentos de derrota e desesperança.
  •       Sentimentos de incompetência.
  •       Alterações repentinas de humor.
  •       Isolamento.
  •       Fadiga.
  •       Pressão alta.
  •       Dores musculares.
  •       Problemas gastrointestinais.
  •       Alteração nos batimentos cardíacos.

 Como prevenir transtornos mentais relacionados ao trabalho?

O grande desafio da gestão de recursos humanos é que tanto a Síndrome de Burnout quanto outros problemas relacionados ao trabalho são causados especialmente por agentes ambientais. Condições insalubres, falta de infraestrutura para realização das atividades, assédio moral e processos de trabalho pouco eficazes são alguns dos fatores de risco.

Por isso, medidas como acompanhamento psicológico, redução da jornada de trabalho e férias podem ajudar bastante, mas não são soluções permanentes. Sendo assim, como é possível melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores para prevenir transtornos como o Burnout?

Quando se tem um funcionário com baixo rendimento, é preciso entender os aspectos do ambiente e do fluxo de trabalho que levam à redução da produtividade. Além disso, é preciso considerar se a recompensa é adequada para o esforço realizado. Em outras palavras, é necessário oferecer uma boa infraestrutura de trabalho, criar processos mais eficientes e pagar salários condizentes com as atividades realizadas.

De fato, atacar esses três âmbitos pode não ser uma tarefa fácil, especialmente se a empresa vive com o orçamento apertado. Porém, é importante destacar que esse investimento dá excelentes retornos para o futuro. Empresas que oferecem um bom ambiente de trabalho conseguem manter altos níveis de produtividade e ainda têm facilidade para reter talentos na equipe.

Como colocar a gestão de processos em prática

Existem cinco fatores importantes para o gerenciamento de processos visando melhorar a qualidade de vida no trabalho. Veja a seguir:

1. Descrição de cargo e funções

O primeiro passo para melhorar a qualidade de vida no trabalho é descrever os cargos e atribuir funções. Na maioria das vezes, as situações de esgotamento por excesso de demanda acontecem porque não há um esclarecimento sobre o que é responsabilidade de cada funcionário. Organizar as funções de cada cargo é fundamental para ter uma equipe alinhada e processos bem articulados.

2. Redistribuição de tarefas

Depois de descrever os cargos, é importante redistribuir as tarefas. Afinal, não faz sentido reorganizar as responsabilidades e não aplicar no fluxo de trabalho. Assim, é necessário verificar quais atividades precisam ser realizadas e fazer uma nova distribuição das tarefas entre os profissionais às quais lhes competem.

3. Ambiente profissional

Mapear problemas no ambiente de trabalho para melhorar o desempenho dos funcionários é uma tarefa que costuma ser esquecida durante o gerenciamento de processos. Porém, a infraestrutura de trabalho tem papel determinante na qualidade de vida dos profissionais que atuam na empresa. Não se pode realizar um bom trabalho sem ter um ambiente confortável para operar e sem as ferramentas adequadas. 

4. Desenvolvimento de carreira

A estagnação profissional é uma das grandes causas da queda de produtividade e da desmotivação no quadro de funcionários. Por isso, oferecer oportunidades e novos desafios faz parte da melhoria da qualidade de vida no trabalho. Estimular os colaboradores a aprender e se desenvolver na área é fundamental para garantir um bom aproveitamento dos talentos que cada trabalhador tem a oferecer para a empresa. 

5. Programa de recompensas e benefícios 

Motivar os colaboradores através de programas de recompensas e benefícios com o intuito de retribuir seu esforço faz com que os funcionários se sintam reconhecidos, aumentando sua qualidade de vida no trabalho. São grandes as vantagens que a implementação de programas de recompensas e benefícios podem trazer à organização, tais como: aumento da produtividade, atração e retenção de talentos e redução da rotatividade.

Conheça os tipos de benefícios que a sua empresa pode oferecer.

Responda

Seu endereço de e-mail não será publicado. Ítens com * são obrigatórios.

https://siembrabeneficios.com.br/wp-content/uploads/2021/05/Logotipo.png

A Siembra é uma Gestora de Benefícios com expertise em estruturar e viabilizar a implantação de produtos e serviços junto ao Setor Sindical.

A Siembra é uma Gestora de Benefícios com expertise em estruturar e viabilizar a implantação de produtos e serviços junto ao Setor Sindical.

Redes Sociais

Cadastre-se e fique por dentro de todas as novidades e ofertas exclusivas.

    https://siembrabeneficios.com.br/wp-content/uploads/2021/05/selo.png

    Copyright 2021. Siembra Benefícios. Todos os Direitos Reservados.

    Copyright 2019. Bold Themes. All rights reserved.

    bt_bb_section_top_section_coverage_image